O Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG) continua sua batalha, por meio de iniciativas reais em defesa dos médicos e da sociedade, em tempos de pandemia. Na tarde da última segunda-feira, dia 1 de fevereiro, o sindicato enviou formalmente solicitação urgente para inclusão dos médicos da saúde suplementar (que atendem planos e operadoras de saúde) que estão na linha de frente dos atendimentos da COVID-19 no plano estadual de vacinação.

O documento oficial foi encaminhado ao governo de Minas Gerais, Secretaria de Estado de Saúde e prefeitos de dezenas de municípios como Belo Horizonte e outros municípios como Betim, Contagem, Lagoa da Prata, Ouro Preto, Santa Luzia, Caeté, Uberlândia, Sete Lagoas, Pedro Leopoldo, entre outros, após o Sinmed-MG receber diversas denúncias de médicos da saúde suplementar que estão na linha de frente, atendendo muitos pacientes suspeitos e/ou confirmados e ainda não foram vacinados.

Neste contexto de pandemia, o sindicato destaca a importância dos médicos da saúde suplementar visto que em Minas Gerais, dos mais de 60 mil médicos que atuam em nosso estado, uma grande parcela deles dedicam-se ao atendimento na saúde suplementar seja nos CTIS de hospitais, atenção primária ou até mesmo em consultórios e muitos deles estão na faixa etária acima de 60 anos, o que reforça ainda mais a necessidade de vacinação desse grupo de profissionais.

Dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) mostram que no estado, aproximadamente 30% da população é usuária de planos de saúde. Já em Belo Horizonte, o índice é de 48%. Esses profissionais, além de cuidarem da população, contribuem para desafogar o SUS para que esse dê assistência aos que precisam dos serviços da rede pública.

Acreditamos que a vacinação de todos os profissionais de saúde, inclusive os da saúde suplementar, torna-se medida essencial para redução dos casos de COVID-19, o que também contribui para que não haja redução no número de médicos afastados pela doença.

O Sinmed-MG também solicita aos gestores a necessidade urgente de prover condições para adequada assistência a toda a população, além das demais políticas públicas que promovam e garantam a redução da circulação do vírus SARS-COV2, uma vez que profissionais doentes ou estafados diminuem drasticamente a capacidade de atendimento.

Clique aqui para assistir a declaração do Dr. Fernando Luiz de Mendonça, diretor-presidente do Sinmed-MG.